Últimas Notícias
Capa / Notícia / Fala do professor Nildo Ouriques na abertura da XI Semana Acadêmica de Economia: avança o Capital sobre as condições de vida da Classe Trabalhadora
Fala do professor Nildo Ouriques na abertura da XI Semana Acadêmica de Economia: avança o Capital sobre as condições de vida da Classe Trabalhadora
Foto por UàE

Fala do professor Nildo Ouriques na abertura da XI Semana Acadêmica de Economia: avança o Capital sobre as condições de vida da Classe Trabalhadora

Redação UàE – 01.11.2016

Ontem, na mesa de abertura da XI Semana Acadêmica de Economia, cujo tema era “A Crise, os Economistas e as Escolas”, o professor de economia Nildo Ouriques destacou que a crise atual – longe de ser a maior já ocorrida no país – não se trata de uma crise estrutural do capitalismo, mas esta seria uma crise financeira do Estado. No entanto, não estaríamos diante de uma crise generalizada, mas desigual e com consequências claras: superlucros dos monopólios e um fortalecimento do capital. A crise do Estado brasileiro seria decorrente da política de estabilização da moeda por meio do superendividamento do Estado, cujos efeitos são percebidos na dívida interna que beira os R$ 4 trilhões.

Segundo o professor, estaríamos enfrentando as condições para um novo ciclo de acumulação do capital, por meio de um rebaixamento e precarização das condições de vida e trabalho dos trabalhadores e a burguesia brasileira, incapaz de competir no mercado internacional, lança mão da superexploração da classe trabalhadora, acentuando a divisão internacional do trabalho na condição de país dependente periférico. Com os lucros dos banqueiros batendo recordes a cada ano e os subsídios do governo à indústria de R$ 400 bilhões, fica evidente quem são os afetados pela crise. Contudo, a narrativa amplamente difundida resume o problema a uma suposta corrupção exclusiva do PT e o aumento das despesas.

Diante disso, a PEC 241 – disposta em formato ideológico alienante, contemplaria a indignação injetada no senso-comum. O resultado dessa dissimulação da crise financeira em crise fiscal orquestrada pelas classes dominantes é a garantia do pagamento religioso dos juros da dívida, além da naturalização da austeridade e a diminuição do Estado brasileiro.


A programação completa da XI SAECO, você encontra em: https://www.facebook.com/Semana-Acad%C3%AAmica-de-Economia-UFSC-188789761561717/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*