Últimas Notícias
Capa / Pílulas / Goiânia, o crânio, o cassetete, a polícia militar, a extrema direita e a Palestina.
Goiânia, o crânio, o cassetete, a polícia militar, a extrema direita e a Palestina.

Goiânia, o crânio, o cassetete, a polícia militar, a extrema direita e a Palestina.

Zé Braga da Redação do UàE – 03.05.2017

Goiânia. Um cassetete quebrou em pedaços. Quebrou golpeando a caixa craniana. E a caixa craniana de Mateus quebrou[1]. Bombas de gás cortando os céus e cortando as multidões, no Rio de Janeiro[2]. As prisões de Juracy, Luciano e Ricardo em São Paulo[3]. O ombro deslocado e a prisão de uma estudante em Florianópolis[4]. A prisão de Hassan, a mando da extrema direita, também em São Paulo[5]. E tantos e tantos mais.

Da Greve Geral do dia 28 à noite do dia 02 maio, a polícia militar nos diferentes estados do país arreganhou novamente os dentes. Colocado em ação frente à luta dos trabalhadores, o aparato coercitivo do Estado não tem dúvidas ao que veio: criar o medo, violentar, dissuadir qualquer possibilidade de por em jogo a ordem burguesa. E ela aparece com suas armas “não letais” contra a luta organizada nas ruas, ou com suas armas de chumbo no dia-a-dia da maioria de nossa classe – nas periferias, nas favelas.

Tanto mais evidente quando sob os uivos da direita raivosa e xenófoba reprimem os refugiados palestinos. Ou quando tentam com os gases sufocar o grito contra as reformas de Temer e dos empresários. As fardas tem classe, e não é a nossa. E enquanto se colocarem do lado da burguesia, enquanto seguirem disparando contra nossos corpos na luta política, na luta da vida, suas lágrimas não merecerá nossa solidariedade.[6]

O cassetete quebrou em Goiânia. Quebrou a caixa craniana. Mas, Mateus acordou do coma. Que quebrem seus cassetetes. Não quebrarão Mateus. Não quebrarão Juracy, Luciano e Ricardo. Não quebrarão Rafael Braga. Nem a memória de Amarildo e de Cláudia. Não quebrarão Hassan, e a ideia viva que nossa classe não tem fronteiras. E que continue quebrando em tantos, não significará nunca que nos quebrará a todos. Não quebrará nossa classe, nossa luta.

Vai acabar. Faremos acabar. 


[1] http://esquerdaonline.com.br/2017/04/30/matheus-entre-a-vida-e-a-morte-a-covardia-esta-de-farda-nas-ruas/

[2] http://esquerdaonline.com.br/2017/04/28/acompanhe-a-greve-geral-no-rio-de-janeiro/

[3] http://esquerdaonline.com.br/2017/04/29/liberdade-ja-para-os-presos-da-greve-geral/

[4] http://catarinas.info/florianopolis-registra-prisao-ilegal-de-estudante-durante-greve-geral/

[5] http://desacato.info/fascistas-invadem-restaurante-e-quem-vai-preso-a-vitima/

[6] https://jornalistaslivres.org/2017/05/meu-pai-policial-militar-chorou/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*