Últimas Notícias
Capa / Opinião / [Opinião] O absurdo contínuo: Reitoria de Ubaldo negocia convênio com Israel
[Opinião] O absurdo contínuo: Reitoria de Ubaldo negocia convênio com Israel

[Opinião] O absurdo contínuo: Reitoria de Ubaldo negocia convênio com Israel

José Braga – UàE – 11.12.2017

Em 30 de novembro o reitor pró-tempore Ubaldo Balthazar recebeu em seu gabinete o secretário-geral da Confederação Israelita Brasileira (CONIB), acompanhado do ex-deputado Paulo Bornhausen. O teor do encontro: iniciar os contatos para um acordo de cooperação entre a UFSC e a Universidade de Tel-Aviv.

O portal de notícias institucional da UFSC mostrou a disposição do reitor pró-tempore que teceu loas a Israel e do secretário do CONIB em avançar nas negociações; informou também que o secretário de relações internacionais da reitoria professor Lincoln Paulo Fernandes será o responsável por encaminhar o fechamento do convênio.

No início de agosto, o então reitor Luís Carlos Cancellier recebeu o Cônsul Geral de Israel para debater a realização de Parcerias Público-Privadas com Israel para a criação de startups. Com a continuidade das tratativas Ubaldo segue o trilho da política iniciada por seu antecessor: destituir o papel crítico da Universidade.

Leia tambémAbsurdo: Reitoria discute com consulado de Israel Parceria Público Privada; Dossiê UàE – A questão Palestina

A retomada das negociações da UFSC com Israel não poderiam se dar em momento mais sintomático: há poucos dias o presidente dos Estados Unidos, Donald J. Trump solicitou a transferência de sua embaixada em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém. A medida de Trump endossa o conjunto de ações do Estado Genocida de Israel contra o povo palestino.

São momentos como este que demandam das universidades a reafirmação de sua autonomia intelectual e o esforço da crítica sobre a sociedade. Não é este o papel desta instituição? E por consequência não caberia ao seu reitorado guardar e prezar por este papel? O que a UFSC tem a dizer frente à violência sistemática a um povo irmão?

Do alto do gabinete, Ubaldo escolheu a letra fria dos contratos, convênios e termos de cooperação. Escolheu internacionalizar a universidade não pela via da solidariedade com os povos, mas do pragmatismo utilitarista.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*